sábado, 28 de fevereiro de 2009

Heath Ledger é o astro do próximo Profile

Programa vai falar sobre a morte e o Oscar póstumo do ator

Na próxima sexta, 6 de março, o Profile vai trazer uma das mais recentes e brilhantes histórias do mundo de Hollywood. O programa vai fazer um resumo da vida do jovem ator Heath Ledger, que morreu em janeiro do ano passado de overdose de remédios, deixando em seu legado um trabalho primoroso no filme "Batman – o Cavaleiro das Trevas", que lhe rendeu um Oscar póstumo de melhor ator coadjuvante neste ano.

Ledger nasceu em Perth, Austrália, no ano de 1979. Aos dezesseis anos ele já começava sua carreira de ator no teatro e em 1996 começou a atuar em televisão. O ator ganhou visibilidade com o filme australiano "Two Hands", e após ser elogiado pela crítica, debutou em Hollywood na comédia romântica "10 Coisas que eu Odeio em Você".

O auge da carreira veio com o longa "O Segredo de Brokeback Mountain", no qual ao lado do ator Jake Gyllenhaal interpretou uma dupla de cowboys homossexuais que têm um romance escondido. O filme foi aclamado com sucesso e rendeu indicações ao Globo de Ouro e Oscar. Tudo seguia para uma carreira promissora até Heath Ledger ser encontrado morto em seu apartamento em Nova York. Na época, o ator acabara de concluir sua premiada performance em Batman e assim se tornou o segundo ator na história do Oscar a conquistar um troféu póstumo.

O Profile mostra como tudo aconteceu na talentosa e turbulenta carreira do ator, interrompida antes dos 30 anos. Sexta, dia 6, às 22h15, no Multishow.

Livro 'Heath Ledger: O Astro Sombrio de Hollywood'
















Descrição:

O Astro Sombrio de Hollywood é a história definitiva sobre a vida e os grandes momentos vividos por esse admirável e intenso jovem cuja perda será sentida durante muitos anos. Ele era um dos atores mais carismáticos e impressionantes de sua geração. Tendo chocado a todos com o alto nível de sua atuação aos 21 anos no filme Coração de Cavaleiro, o jovem ator australiano começou a encarnar uma série de papéis muito diferentes e freqüentemente subversivos que colocaram em xeque a impressão da indústria de que ele era apenas mais um fugaz ídolo adolescente. Embora alguns de seus primeiros trabalhos tenham deixado claro todo o seu potencial, foi apenas depois de sua indicação ao Oscar pelo melancólico papel no clássico moderno Brokeback Mountain, dirigido por Ang Lee, que ele obteve a consagração, comprovando seu talento e garantindo seu lugar no panteão dos maiores astros de Hollywood, dando mostra de um intenso brilho presente apenas na atuação de alguns poucos atores contemporâneos.Sua inesperada morte aos 28 anos sacudiu a indústria de cinema, criando um impressionante interesse da imprensa internacional e lançando uma incisiva sombra sobre a sua obra, agora seu legado. Este livro examina a relação de Heath Ledger com as atrizes Heather Graham, Naomi Watts e Michelle Williams (sua ex-noiva e mãe de sua filha Matilda), reconta toda a história das filmagens de Brokeback Mountain, esmiuçando o subseqüente impacto do filme. O livro também examina toda a transformação pela qual o ator passou para interpretar o Coringa em O Cavaleiro das Trevas, mostrando o grande custo psicológico e físico que o ator teve de enfrentar por conta da intensidade do papel.

O livro está em pré - venda no Submarino por R$ 30,40 .

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

'Doctor Parnassus' com problemas para ser lançado


Último filme de Heath Ledger pena para chegar aos cinemas
Por enquanto, só há distribuição garantida no Reino Unido.

O último filme de Heath Ledger, a fantasia The Imaginarium of Doctor Parnassus, do cineasta Terry Gilliam (Monty Python), continua sem um distribuidor nos Estados Unidos - e já tem gente achando que o filme pode ir direto para o DVD por lá, pulando os cinemas.

No meio do ano passado várias distribuidoras haviam demonstrado interesse neste que é o último trabalho (mesmo que incompleto) do ator que acaba de ganhar o Oscar pela sua interpretação do Coringa em Batman - O Cavaleiro das Trevas. Porém, até agora ninguém abriu a carteira e assinou o cheque. O motivo é simples: eles estão como medo do tom experimental do filme, algo difícil para "vender" ao público local.

O que isso tem a ver com você? Bom, se o filme não chega aos cinemas lá na "terra-mãe" você já deve imaginar quando é que ele vai aportar por aqui, né? Vale lembrar que o último trabalho de Gilliam, Contraponto (Tideland, 2005), só chegou por aqui em DVD.

Em The Imaginarium of Doctor Parnassus, Ledger é Tony, um sujeito que entra para a trupe de teatro ambulante do Dr. Parnassus (Christopher Plummer) e ajuda a salvar a filha do doutor (vivida por Lily Cole) das garras do demônio (Tom Waits). Como Ledger não conseguiu terminar as filmagens, seu persongem também é interpretado por Johnny Depp, Jude Law e Colin Farrell.

O filme por enquanto só tem lançamento garantido no Reino Unido, neste meio de ano.

Após Ledger levar o Oscar, Mel Gibson lamenta não ter ajudado o ator

Mel Gibson conhecido também por ajudar muita gente a se livrar dos problemas de abuso de drogas e alcoolismo, como por exemplo a cantora Britney Spears, lamentou não ter ajudado o ator australiano Heath Ledger.

"Eu devia ter chamado anos antes", contou Gibson no programa Jimmy Kimmel Live!, exibido na ABC. "Eu realmente não conheço os problemas que estavam com ele, mas não creio que foi apenas um acidente", concluiu.
No começo deste ano, Gibson elogiou o trabalho do ator durante uma entrevista a revista Entertainment Weekly.
"Quando faleceu, estava a ponto de dar o passo seguinte. A terrível tragédia de sua perda foi fatal. Eu queria vê-lo no nível seguinte, sobrava talento nele", disse o diretor e ator.

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2009

Família de Heath Ledger lembra que ainda há mais um filme dele para ver.

As memórias da família de Heath Ledger, o ator que interpretou Joker na última aventura de Batman, a emoção de Penélope Cruz, a calma e o discurso político de Sean Penn foram alguns dos momentos marcantes da 81.ª cerimónia de atribuição dos prémios da indústria do cinema norte-americano, que consagrou o filme "Quem quer ser Bilionário" como o mais premiado, arrecadando oito Óscares.

Depois de abandonarem o palco, com a estatueta atribuída a título póstumo, a família de Heath Ledger lembrou o filho e irmão que, enquanto jovem, "estava sempre na brincadeira como um rapaz qualquer naquelas idades", realçando as qualidades humanas do ator que faleceu em 22 de Janeiro de 2008. Já sobre a sua prestação na película dirigida por Cristopher Nolan - premiada com duas estatuetas, melhor ator secundário e efeitos sonoros - Kate Ledger, irmã do ator, revelou que "Heath sabia que fez qualquer coisa especial com esta interpretação".

"Ele ia-nos mostrando partes do filme enquanto este estava a ser rodado e um dia dissemos-lhe que ele arriscava ser nomeado para um Oscar. Ele respondeu com um sorriso", contou a irmã do ator, lembrando que a morte dele pôs fim à sua carreira, mas não às novidades, uma vez que ainda há um filme em que participa por estrear. Trata-se de "Imaginarium of Doctor Parnassus", cuja rodagem Ledger não terminou. "Nós já vimos algumas cenas e creio que vai ser fantástico poder vê-lo novamente em cena", resumiu Kate, depois de ter aceitado, em nome da filha de Heath, Matilda, e acompanhada pelos pais de Heath, a estatueta atribuída ao irmão.

Heath Ledger ganha Oscar póstumo de Melhor Ator Coadjuvante

O ator australiano Heath Ledger, que morreu no ano passado, ganhou o Oscar de Melhor Ator Coadjuvante no domingo, por seu papel como Coringa em "Batman -- O Cavaleiro das Trevas".

Ledger, que morreu aos 28 anos de overdose acidental de remédios prescritos, é somente o segundo ator da história do Oscar a ganhar um prêmio póstumo. Dois meses depois de morrer de ataque cardíaco, o ator Peter Finch ganhou um Oscar em 1976, pelo papel em "Rede de Intrigas".

O Oscar de Ledger também é uma exceção, pois a Academia costuma ignorar os filmes de super-heróis.

"Este prêmio... validou a determinação de Ledger de ser realmente aceito por todos vocês aqui, seus colegas, em uma indústria que ele amava tanto", disse o pai de Ledger, Kim, ao aceitar o prêmio em nome do filho, ao lado da mãe de Ledger, Sally Bell, e da irmã, Kate Ledger.

"Estamos realmente lisonjeados pela honra e o respeito recebidos por ele com este prêmio", disse Sally Bell.

Ledger foi encontrado morto em um apartamento em Nova York, cinco meses antes do lançamento de "Cavaleiro das Trevas".

A performance do ator, além do interesse despertado por sua morte, renderam ao filme mais de 1 bilhão de dólares nas bilheterias.

Ledger foi indicado a um Oscar em 2005, por "O Segredo de Brokeback Mountain", mas não ganhou o prêmio.

Desta vez, Ledger levou praticamente todos os prêmios pelo papel de Coringa.

Nas últimas semanas, ele venceu um Globo de Ouro, um BAFTA, um prêmio do Sindicato de Atores e os de críticos norte-americanos e australianos. Ele foi bastante homenageado pelos atores, diretores e produtores que anunciaram os prêmios.

A estatueta irá para a filha de Ledger e da atriz Michelle Williams, Matilda, hoje com 3 anos, quando ela completar 18 anos.

Embora não fosse considerado um ator do primeiro escalão de Hollywood antes de sua morte, Ledger chamou atenção em 2001, por "Coração de Cavaleiro". Mais tarde, convenceu os críticos de seu talento com "A Última Ceia" e "Não Estou Lá".




video

Divulgados pôsters de Dr. Parnassus


o primeiro é um pôster coreano.
O filme estréia no dia 06 de junho em Londres.
Nos demais paises o filme só chegará em setembro!

sábado, 21 de fevereiro de 2009

Família de Heath Ledger ainda não decidiu quem receberia Oscar do ator

Por direito, estatueta deveria ser recolhida por Matilda. Filha do ator tem apenas 3 anos e não pode pegar troféu.

A família do australiano Heath Ledger, morto em janeiro de 2008, pode receber a estatueta de Melhor Ator Coadjuvante caso o astro conquiste o prêmio, apesar de a filha de três anos da estrela ser, pelas regras, a encarregada de recolher o Oscar, informou nesta sexta (20) a imprensa local.

A Academia das Artes e Ciências Cinematográficas dos Estados Unidos ainda não confirmou quem subirá ao palco caso Ledger ganhe o prêmio, embora os pais do australiano já tenham aterrissado em Los Angeles, depois de viajar da Austrália.

Apesar de a Academia não ser favorável a que as estatuetas sejam recolhidas por pessoas que não sejam o premiado, costuma-se abrir uma exceção quando se trata de falecimentos. Nesses casos, as estatuetas são entregues aos parentes mais próximos, que, neste caso, seria a filha de Ledger.

No entanto, a situação do ator é mais complicada, já que sua herdeira direta, Matilda, tem três anos e não pode receber o prêmio; a mãe da menina, Michelle Williams, nunca foi casada com Ledger e os dois tinham se distanciado, e, por isso, os pais do astro poderiam ocupar esse vazio.

Guarda dos pais

Ao chegar ao aeroporto internacional de Los Angeles, o pai do ator, Kim Ledger, confirmou ao site "TMZ.com" sua intenção de levar a estatueta à Austrália.

"Vamos guardar para ela (Matilda) para sempre", disse Kim Ledger, que deve subir ao palco do teatro Kodak. O destino de alguns dos muitos prêmios recebidos por Ledger este ano ainda não foi decidido, como é o caso do troféu do Sindicato de Atores (SAG).

"Ainda o temos aqui até que se conclua a tramitação de papéis, como é preciso", explicou a produtora Kathy Connell, enquanto o Globo de Ouro e o Critics Choice Awards foram enviados ao escritório da representante de Ledger, Mara Buxbaum.

Naomi Watts quer que Heath Ledger ganhe a estatueta

A atriz Naomi Watts (Violência Gratuita), que namorou Heath Ledger (Batman - O Cavaleiro das Trevas) por dois anos, disse que a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood deve homenagear o ator por seu papel do Coringa, no filme do Homem-Morcego "porque ele era uma estrela extraordinária", segundo o site IMDB. "Espero que ele ganhe. Ele foi fantástico e seu trabalho deve ser reconhecido", continuou a atriz.

Heath Legder recebeu dois prêmios póstumos neste ano por Melhor Ator Coadjuvante no Globo de Ouro e no Bafta.

Na noite deste domingo (22/2), acontecerá a entrega das estatuetas da 81ª edição do Oscar, no Teatro Kodak, em Los Angeles. Ledger concorre ao prêmio de Melhor Ator Coadjuvante com Josh Brolin (Milk - A Voz da Igualdade), Robert Downey Jr. (Trovão Tropical), Philip Seymour Hoffman (Dúvida) e Michael Shannon (Foi Apenas um Sonho).

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

Se Heath Ledger ganhar o Oscar, estatueta vai para sua filha, Matilda

Mas a menina, de 3 anos, só poderá ficar com o prêmio ao completar 18

Se Heath Ledger receber mesmo o Oscar de melhor ator coadjuvante no próximo domingo, 22, como muitos apostam, a estatueta vai para sua filha, Matilda.

Matilda é fruto da união do ator com Michelle Williams, e está com 3 anos de idade.

Mas a garota só poderá tomar posse da eventual estatueta do pai ao completar 18 anos e, antes, terá que assinar um contrato.

A academia que promove o Oscar afirmou que a indicação póstuma de Ledger, por sua atuação como o Coringa em "Batman - Cavaleiro das Trevas", e a pouca idade de sua filha fizeram tudo ficar mais complicado.

"Há duas questões que precisam ser respondidas", afirmou Bruce Davis, diretor-executivo da Academia, em entrevista publicada na revista "Us Magazine". "Primeiro, temos que decidir quem poderá aceitar o prêmio por ele na noite do Oscar. E há a questão de quem ficará com a estatueta", diz.

Normalmente, um prêmio póstumo vai para o cônjuge, mas como Ledger e Michelle nunca foram oficialmente casados, quem deveria receber é o filho mais velho do premiado - no caso, a pequena Matilda.

Como ela é muito nova para assinar o contrato dos ganhadores - que diz que a estatueta não pode ser posta à venda sem antes ser oferecida de volta à academia - Michelle Williams seria a guardiã legal do Oscar pelos próximos 15 anos, até Matilda atingir a maioridade.

A pessoa que vai aceitar o prêmio caso Ledger seja escolhido melhor ator coadjuvante está sendo mantida sob sigilo pela academia.

Hugh Jackman diz que torce por Heath no Oscar

Apresentador da cerimônia deste ano de entrega das estatuetas do Oscar, o ator Hugh Jackman (Austrália) revelou sua preferência entre os candidatos. Assim como ele, também foi ator e conterrâneo.

Jackman afirmou que Heath Ledger, indicado a Ator Coadjuvante por seu retrato do Coringa em Batman - O Cavaleiro das Trevas, merece vencer. "Seria adequado e eu acho que ele merece".

Desde o início do ano, o ator venceu o Globo de Ouro de Ator Coadjuvante, além do prêmio do sindicato da categoria, o Screen Actors Guild Award, e do prêmio da Sociedade de Críticos de Cinema Online dos EUA. O trabalho de Ledger ganhou até elogios do turrão Mel Gibson (Apocalypto).

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009

Heath Ledger ganhou o Bafta 2009

Na noite desse domingo, 8 de fevereiro, aconteceu o Bafta (British Academy Film Awards), o Oscar do cinema britânico.

Heath Ledger ganhou o prêmio de melhor ator coadjuvante pelo filme Batman - The Dark Knight, dando todas as dicas que pode levar o Oscar para casa.

Se o falecido intérprete do Coringa ganhar, será o segundo ator a levar uma estatueta póstuma. O primeiro foi Peter Finch, por "Rede de Intrigas", em 1976.


domingo, 8 de fevereiro de 2009

Uma delicada campanha pelo astro Heath Ledger

É com isso que os estúdios de Hollywood costumam sonhar. Um dos melhores atores jovens de nossa era apresenta desempenho espantoso em um dos filmes de maior bilheteria em todos os tempos, e é indicado ao Oscar por seu trabalho.

Só há um problema: um ano e um dia antes de ser indicado ao Oscar de melhor coadjuvante por Batman: O Cavaleiro das Trevas, Heath Ledger foi encontrado morto em um apartamento de Nova York. E como fazer campanha por um Oscar para um ator que já não está entre nós?

Com muita cautela. A Warner Bros. vem conseguindo respeitar o limite entre elogio póstumo e exploração, lembrando ao público e aos votantes da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas que um dos maiores desempenhos de 2008 foi o último da carreira de Ledger, mas sem criar a impressão de que o estúdio pretende faturar com isso.

Há uma certa graça institucional em ação. Muitas campanhas de promoção de candidatos ao Oscar são realizadas não pela qualidade dos filmes, mas porque a presença de astros assim requer - vide Seven Pounds. Ledger, porém, já não precisa de nada deste mundo. Uma vitória não estimulará sua carreira ou elevará seu cachê.

O filme se saiu maravilhosamente bem nos cinemas (US$ 532 milhões até o momento, e continua em cartaz). Um prêmio a mais não deve alterar essa matemática. Mas ainda assim defender a candidatura de Ledger parece correto. Já que Ledger não interpretará novos papéis, precisamos tratar com carinho o trabalho que ele deixou.

A Warner Bros. abriu a temporada do Oscar com grandes esperanças quando a Batman: O Cavaleiro das Trevas. O estúdio e muitos dos observadores da disputa acreditavam que o trabalho, continuação de Batman Begins, de 2005, tinha chance legítima de indicação ao prêmio de melhor filme, um feito raro para uma história de ação inspirada por quadrinhos.

Batman: O Cavaleiro das Trevas é mais que um filme para acompanhar as pipocas. Com seu estilo visual noir e visão sarcástica das motivações humanas, muitos críticos o elogiaram e elevaram o trabalho a um patamar superior ao de uma simples história de ação.

O novo Batman foi dirigido por Christopher Nolan, o britânico que concebeu Memento e The Prestige. Mas a realização singular que elevou Batman: O Cavaleiro das Trevas a um novo patamar foi o glorioso desempenho de Ledger como o Coringa.

Será errado que contemplemos, rememoremos, lamentemos? De forma alguma. A morte de Ledger, que causou grande pesar público, foi claramente um momento importante na cultura popular. O estúdio precisava navegar por todos esses torvelinhos para lançar o filme, e teve de superá-los do novo no ciclo do Oscar.

Quando as indicações foram anunciadas, as aspirações mais amplas do estúdio não foram realizadas - não houve indicações para melhor filme ou melhor diretor -, mas ainda assim Batman: O Cavaleiro das Trevas amealhou oito indicações, entre as quais a de Ledger.

Isso representa tanto uma oportunidade quanto alguns problemas para o estúdio. A morte de Ledger de certo despertou simpatia e oferece aos seus colegas a oportunidade de homenageá-lo. Mas representou uma situação diferente de ocasiões precedentes em que a Academia votou sobre o trabalho de alguém postumamente.

Peter Finch, que interpretou Howard Beale em The Network, estava em viagem de promoção do filme em 1977 quando sofreu um ataque cardíaco e morreu. Ele se tornou o primeiro e único ganhador de um Oscar póstumo como ator. A morte de Ledger por uma overdose acidental foi um acontecimento terrível transcorrido ainda antes da estréia do filme.

Em nível mais prático, isso significou que o ator não pôde participar da promoção. Eu acompanhei o circuito do Oscar em 2006, e vi Ledger promovendo Brokeback Mountain, que era considerado favorito para o prêmio de melhor filme, e sou testemunha de que promoção não era seu melhor trabalho.

Um jovem polido e agradável, Ledger não tinha muito apreço pelo papo furado das festas e eventos, ainda que tivesse sido indicado ao prêmio de melhor ator por aquele filme. No caso de Batman: O Cavaleiro das Trevas, o estúdio não mencionou a morte de Ledger em seu material promocional e preferiu destacar cenas do ator no filme.

O espectro de Ledger adquiriu proporções vastas nesta temporada de prêmio. O desempenho dele foi laureado com vitórias no Globo de Ouro e nos prêmios da Screen Actors Guild. E momentos que seriam dedicados normalmente a agradecer mães e agentes se tornaram solenes e reverentes como uma cerimônia fúnebre no cemitério nacional em Arlington.

"Todos nós que trabalhamos com Heath no filme aceitamos o prêmio com mistura terrível de saudade e imenso orgulho", disse Nolan, que recebeu o prêmio em nome de Ledger na cerimônia do Globo de Ouro, acrescentando que "sempre sentiremos sua falta, mas ele não será esquecido".

A abordagem cautelosa da Warner Bros. - comprovada pelo fato de que a empresa não respondeu a uma tentativa de contato sobre a campanha- serviu bem ao ator e ao momento. Mesmo quando vivo, Ledger mais parecia um fantasma, no que tange ao aspecto sensacionalista do mundo do entretenimento. Em 22 de fevereiro, quando os prêmios forem distribuídos, ele não estará no Kodak Theater, mas sua presença ainda assim será imensa.

The New York Times

Traduzido por: Paulo Migliacci

'Batman - O Cavaleiro das Trevas' reestréia em IMAX

O filme que pode dar o primeiro Oscar póstumo para um ator coadjuvante - no caso o australiano Heath Ledger (morto em janeiro de 2008), pela sua elogiada performance como Coringa - reestréia nos cinemas com tecnologia IMAX na sexta-feira (6) e nas outras salas a partir da sexta-feira (13).

Indicado a oito Oscars, o segundo longa da nova fase da cinessérie do herói-morcego gira em torno dos problemas existenciais do vigilante de Gotham City, papel de Christian Bale, e do embate entre o seu oponente mais consistente, de riso rasgado e mente doente: o genial e sádico Coringa. Na história, também aparece outro bad guy da famosa HQ criada por Bob Kane, no fim da década de 30: o Duas Caras, vivido pelo charmoso Aaron Eckhart - que no início do filme é o promotor e paladino da lei Harvey Dent.

Os esperados gadgets e efeitos especiais fazem a festa nesta versão que contém seis cenas gravadas com câmeras IMAX - cujo principal efeito é transportar o espectador para dentro do filme. Boa oportunidade para conferir - ou rever - o último e excepcional trabalho de Ledger, que deve levar o Oscar de Melhor Ator Coadjuvante no dia 22 de fevereiro.

Filha de Ledger receberá seguro de vida do pai

Foi fechado o acordo que dá à filha do ator Heath Ledger o direito de receber o dinheiro da apólice de seguro do pai, que morreu em janeiro 2008 por overdose acidental de remédios. Matilda Rose, três anos, filha de Heath Ledger com a atriz Michelle Williams, receberá cerca de US$ 10 milhões.

A seguradora de Ledger, ReliaStar Life Insurance Company, argumentava que havia suspeita de suicídio do ator australiano, o que invalidaria o contrato e cancelaria o pagamento do seguro.

O advogado William Shernoff abriu um processo em julho de 2008 em nome de Matilda, para reivindicar os US$ 10 milhões aos quais a menina teria direito. As duas partes começaram a negociar depois que o processo foi aberto. "As partes estão satisfeitas por terem conseguido fechar um acordo amigável, resolvendo a disputa", disse Shernoff.

Naomi Watts posa para revista americana e fala sobre o ex, Heath Ledger


Atualmente, a atriz namora o ator Liev Schreiber, com quem tem dois filhos, mas diz que não pensa em casamento.

A atriz Naomi Watts mostrou toda a sua beleza em ensaio para a revista "Parade Magazine". Na entrevista, ela fala sobre a dor pela morte do ator Heath Ledger, com quem namorou de 2002 a 2004. "Ainda é incrivelmente difícil", revelou. Sobre o atual namorado, o ator Liev Schreiber, com quem tem dois filhos, Naomi diz que não pensa em casamento. "Não cresci tendo esse sonho do casamento".

Naomi Watts relembra seu relacionamento com o Heath Ledger, que morreu a um ano por overdose de remédios aos 28 anos.
Ela diz que se apaixonou por ele em 2002 enquanto filmavam o drama Ned Kelly.

"Eu não conhecia os trabalhos dele" Naomi relembra. "Ai, quando cheguei no set e fiz a primeira cena com ele, pensei 'nossa! esse cara é ótimo'."

Tinha alguma coisa no fundo dos seus olhos. Você podia olhar dentro deles, e eles poderiam te contar várias coisas em um só olhar." ela diz. "Tinha uma maravilhosa mistura de poder e fragilidade em todos os trabalhos, em tudo que ele fez, coisas que te atraíam."

Ela diz, "A força que ele tinha não assustava. Deixava intrigada. E sua fragilidade tocava."

Apesar de o casal ter se separado em 2004, ela diz que eles sempre manteram contato até sua morte.

"Ainda é incrivelmente difícil", diz Watts , comovida.

terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

Chega ao fim disputa entre seguradora e os advogados da família de Heath Ledger

Segundo o site 'TMZ', houve um acordo confidencial entre a empresa e os defensores da filha do ator.

Seis meses antes de morrer, Heath Ledger havia feito um seguro de vida avaliado em 10 milhões de dólares. Porém, a seguradora se recusava a pagar o valor para a família, alegando que o ator havia mentido sobre o uso de drogas e que a apólice não cobriria casos de suicídios.

Segundo o site "TMZ", a disputa parece ter chegado ao fim. Um acordo confidencial foi feito entre a empresa de seguros e os advogados da família de Heath Ledger. Matilda Rose, a filha de três anos do ator, é a principal beneficiária do seguro.